Enterro dos Ossos, ressurreição do Parque das Três Pontas

22 fev

Por Fernanda Pessoa (fotos e texto), para Desacato.info

A tarde de ontem foi de um prazer imenso. Mais de 300 pessoas passaram pela Ponta do Coral e declararam o seu amor à natureza. A ação na região começou logo cedo, quando os organizadores do Ato Enterro dos Ossos na Ponta do Coral, o Movimento Ponta do Coral 100% Pública, passaram a fabricar os cartazes e fazer um mutirão de limpeza no terreno.

Durante a tarde, centenas de pessoas passaram pelo ato que defende a Ponta do Coral 100% Pública, com a criação de um parque no local com mais respeito à natureza, lazer e cultura para a população de Florianópolis. O Hotel de 18 andares da Hantei Engenharia, com licenciamento aprovado pela prefeitura há algumas semanas, é um projeto beneficia uma minoria na cidade. Afinal, quem possui condições de usufruir um hotel de luxo nesta cidade são poucos.

Por outro lado,a construção do parque favoreceria a todos. Um lugar para ir com a família, brincar com as crianças, um espaço para promoção de cultura na cidade, uma alternativa aos caros shoppings em dias de inverno e às filas quilométricas para as praias no verão. Um parque como os existentes em Curitiba, São Paulo e Buenos Aires faz muita falta nesta cidade.  Na tarde de ontem, deram um exemplo de como isso é possível. Com muito samba, integração e diversidade, o Enterro dos Ossos reuniu pessoas de diversas idades e formação com um único objetivo: defender a Ponta do Coral dos interesses elitistas.

O que está em questão nesse protesto, muito mais que a defesa dessa região, é a luta por um modelo de cidade que concilie o crescimento populacional e urbano com aspectos ambientais, culturais, antropológicos, históricos e sociais. Está em debate a questão do direito à cidade. É importante que nós saibamos o tipo de cidade que queremos, pois é a partir da cidade que estabelecemos os nossos vínculos sociais, a relação com a natureza e o nosso estilo de vida.

Desejamos uma Florianópolis com mais um hotel de luxo, cujo projeto prevê mais aterros, mais carros e ignora os pescadores tradicionais da região? Ou queremos um lugar onde a natureza seja respeitada, assim como os aspectos antropológicos, onde a população da cidade pode usufruir sem ter que pagar? Em tempos em que a qualidade de vida urbana já é mercadoria, essa é resposta pode ser o inicio de um processo de remodelamento das formas de ocupação desta cidade.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: