Ponta do Coral, 40 primaveras de resistência popular

6 nov


40 anos de luta pela Ponta do Coral 100% Pública

A Ponta do Coral é o cenário de uma intensa disputa desde os anos 80, quando ainda na ditadura foi vendida de forma ilegal pelo então governador e oligarca Jorge Konder Bornhausen, após um incêndio criminoso no abrigo de menores que ali existia. Desde então, grupos de cidadãos, estudantes, artistas e ativistas das causas sociais e ambientais contestam a venda da área, opondo-se à privatização deste espaço público e à destruição da fauna, flora e história da região.

Mais do que a disputa por um oásis em meio a um deserto de concreto, os imaginários sobre a Ponta do Coral projetam visões distintas de cidade e de mundo. De um lado, a Florianópolis cidade a venda, abarrotada de carros, com suas moedas e, agora, mecanismos verdes, shoppings construídos sobre manguezais, esgoto no mar, beach clubes na restinga e a Lagoa do Peri secando. Vendem este sonho na mídia comprada, transmitindo a promessa de um “progresso” que irá gerar empregos, enquanto tornam ainda mais milionários aqueles que lucram com a especulação imobiliária. Homens brancos que projetam uma Floripa desumanizada, um misto de Dubai com Balneário Camboriú, onde ricos ou endividados poderão usufruir de paraísos particulares de vidros espelhados em áreas públicas, sem que precisem se misturar com a “gentalha”, que é como eles classificam os pobres.

Da luta pela Ponta do Coral ecoam as vozes que demandam uma cidade aberta e plural, com parques públicos para que tod@s possam usufruir de suas belezas naturais, dos piqueniques em família e amig@s, das dezenas de atividades artísticas, coletivas e voluntárias para conquistar os parques e praças desta cidade, das rodas de conversa e de capoeira, das lembranças do bar do Seo Chico, no Campeche, das lutas por um plano diretor participativo, da inclusão das colônias de pescadores e das comunidades dos morros e quilombolas, como atores ativos na construção de uma sociedade mais justa, democrática, fraterna e igualitária.

Em novembro, agora, celebramos 40 primaveras de luta para devolver a Ponta do Coral ao povo. Durante estas quatro décadas, a resistência coletiva barrou a construção de qualquer empreendimento privado na região, atravessando diferentes conjunturas e gerações. Houve o surgimento do Movimento Ponta do Coral 100% Pública e a proposta de criação do Parque Cultural das 3 Pontas, abrangendo a Ponta do Coral, a Ponta do Goulart e a Ponta do Lessa, preservando o meio ambiente e incentivando a cultura e a economia local. Proposta que hoje conta com o apoio de diversos movimentos sociais, entidades de classe, organizações políticas e da Universidade Federal de Santa Catarina, que, em 2016, declarou interesse técnico e científico na área e apoia oficialmente a criação do parque.

Foram anos de muito acúmulo, que serviram para enriquecer as experiências de cada pessoa que ajudou a construir o Movimento e a tecer as redes em que nos apoiamos até hoje. Mas, apesar de algumas vitórias, o fato é que a criação do Parque Cultural das 3 Pontas ainda não saiu do papel. O atual Prefeito Gean Loureiro (DEM) nunca ouviu o movimento e ainda fez avançar o projeto da faraônica “Megalo-Marina”, que, se concretizado, terá imenso impacto negativo na questão ambiental, paisagística, social e simbólica na cidade. Temos uma chance de alterar esta conjuntura nas eleições municipais, escolhendo candidatas e candidatos comprometid@s com a criação do Parque, mas nem por isto devemos baixar a guarda e a pressão popular precisa continuar para que o poder público torne realidade a criação do Parque Cultural, independentemente de quem segure a caneta.

Em tempos de pandemia de Covid-19, temos consciência de que, infelizmente, não é possível nos reunirmos na Ponta e fazermos uma grande festa, com música e atividades culturais, como na última celebração dos 35 anos em 2015, na Novembrada Cultural em 2017 ou outras tantas ocupações festivas e humanizantes. É por isto que convidamos cada apoiador(a) da causa a ocupar as redes, compartilhando memórias em formato de fotos, textos, vídeos, músicas e o que mais sua criatividade permitir. Durante este mês, basta utilizar a etiqueta #40anosPelaPontaDoCoral que iremos compartilhar em nossos meios.


Fortalecer nossos laços e memória coletiva é a forma que encontramos de comemorar esta história de 40 anos, mostrando para as pessoas próximas que a luta vale a pena e que, enquanto houver primavera, haverá poesia.

Movimento Ponta do Coral 100% Pública

Florianópolis, 06 de Novembro de 2020.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: